Slide

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Sessão Pipoca - Batman Vs Superman: a origem da justiça.


Olá pessoas! "Desculpe, estou um pouco atrasado..." mas espero que ainda dê tempo de falar desse filme que deu o que falar no ano passado! Hoje trago para vocês as minhas impressões sobre Batman Vs Superman: a origem da justiça. Vem conferir?


Sinopse: O confronto entre Superman (Henry Cavill) e Zod (Michael Shannon) em Metrópolis fez com que a população mundial se dividisse acerca da existência de extra-terrestres na Terra. Enquanto muitos consideram o Superman como um novo deus, há aqueles que consideram extremamente perigoso que haja um ser tão poderoso sem qualquer tipo de controle. Bruce Wayne (Ben Affleck) é um dos que acreditam nesta segunda hipótese. Sob o manto de um Batman violento e obcecado, ele investiga o laboratório de Lex Luthor (Jesse Eisenberg), que descobriu uma pedra verde que consegue eliminar e enfraquecer os filhos de Krypton.





sábado, 4 de fevereiro de 2017

Desventuras em Série (2017-) - 1ª Temporada


'A Series of Unfortunate Events' [Credit: Netflix]Gostaria de começar dizendo que fazia muito tempo que não via tanto esforço criativo e, principalmente, publicitário, para fazer uma série acontecer como o que houve por parte da Netflix em relação a Desventuras em Série. Acredito que esse esforço se deva ao fato de essa ser já a segunda tentativa de adaptar os livros de Lemony Snicket (pseudônimo), sucedendo o filme de 2004, que desperta opiniões mistas nos fãs. Esteve, então, desde o início, bem nítido que tanto a Netflix quanto Daniel Handler e as outras pessoas envolvidas na concepção/feitura/divulgação da série fizeram todo o possível para garantir que tudo desse certo, para que se transmitisse os livros para a série da melhor maneira possível. Toda essa preocupação visível me deixou impressionado, mas também preocupado, porque criou expectativas que talvez não fossem ser cumpridas. No entanto, após assistir à primeira temporada da série, que estreou mais cedo esse mês de Janeiro, posso dizer que minhas expectativas foram atendidas.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Cinco maiores poetas da música brasileira


Poesia x Música


           Há muito em comum entre estas duas artes criativas. Uma letra de música não deixa de ser uma poesia, só que respeita as cadências da respectiva melodia.
         Escrever uma letra de música é similar a escrever um poema de formas fixas (como o soneto, por exemplo), onde você deve encaixar as sílabas fortes e fracas das palavras conforme a métrica do verso e conforme o número de sílabas.
          Quando o compositor se depara com a melodia, seja ela já pronta, seja ela em uma construção conjunta com a letra, o dilema é o mesmo. As palavras devem se encaixar conforme as notas mais graves e agudas da música, acompanhando a chamada prosódia da frase musical.

sábado, 28 de janeiro de 2017

Luz de Inverno - Keila Gon


capa linhagem mágicaHá alguns anos, quando o blog ainda engatinhava, conheci uma fantasia urbana recém publicada. Viciada que sou nesse gênero, logo procurei ler o livro e foi simplesmente amor. Dois anos depois o segundo chegou em minha mãos e meu amor pela trilogia aumentou e transbordou. Imagine agora que o terceiro e último livro, Luz de Inverno: Linhagem mágica, chegou a mim... Senti-me angustiada e ansiosa por devorar essa história!


Antes de tudo, se não conhece essa trilogia que tal dar uma olhada nas resenhas dos dois primeiros: Cores de Outono (Resenha) e Sombras da Primavera (Resenha).
Atenção: Por se tratar de uma trilogia, o texto a seguir pode conter spoilers dos dois primeiros volumes.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

A importância de conhecer os elementos de Versificação


A importância de conhecer os elementos de Versificação


Hoje, a poesia não tem regras, benefício alcançado pelo modernismo no século passado. Começaram conseguindo algumas flexibilizações, que foram aumentando, aumentando, aumentando, até que hoje a liberdade é tanta que qualquer coisa pode ser chamada de poesia.
Assim, muitos optam pelo verso livre, aquele que abre mão de rimas, métrica, formas fixas, entre outros elementos de versificação.

Logo, já que posso escrever uma poesia livre de qualquer regra, eu preciso conhecer elementos de versificação?

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

10 livros de poesia que você precisa ler - Parte 2



      Oi Pessoal, como vocês estão?

      Na semana passada iniciamos este post com os cinco primeiros livros de poesia da minha lista. O retorno foi incrível, muita gente comentou, muita gente veio falar comigo, fiquei muito feliz com o resultado. A intenção é essa mesmo, fomentar o assunto poesia, despertar a vontade de ler, gerar uma discussão positiva!

      Na sequência, vou postar a parte final da lista, com os cinco melhores livros de poesia da última década, na minha humilde opinião, claro.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

10 livros de poesia que você precisa ler - Parte 1


           Com a morte do poeta Ferreira Gullar (1930 – 2016), muito se falou sobre a lacuna que fica na poesia tupiniquim. Muita gente, inclusive, chegou a dizer que com ele, morria também a poesia brasileira. Gullar era uma das vozes mais originais e representativas da poesia brasileira a partir da segunda metade do século XX, mas sobre este exagero, eu discordo!
Temos, claro, que reconhecer que a poesia brasileira não anda em seu melhor momento de criatividade e popularidade. Carecemos de grandes nomes, como os que tivemos em um passado não tão distante. Todavia, há neste deserto um oásis de gente jovem, boa e talentosa produzindo uma poesia de excelente qualidade. Motivado por este cenário, resolvi listar 10 livros imperdíveis de poesia, produzidos na última década. As regras desta lista são simples: livros lançados nos últimos 10 anos e por poetas ainda vivos.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Sessão Pipoca - As adaptações mais aguardadas para 2017


Olá pessoas! Sentiram minha falta? Aposto que sim, pois eu senti muito a falta de vocês. Esse ano que passou foi uma correria só, afinal, era o último ano da faculdade! Mas graças a Deus as coisas estão mais calmas e poderei retornar ao blog com força total, trazendo muitas novidades para vocês. E para isso, nada melhor do que programar nossas atividades, fazendo um check list das adaptações literárias mais aguardadas (pelo menos por mim rs) que serão lançadas no cinema neste ano! 


sábado, 7 de janeiro de 2017

Desventuras em Série - Lemony Snicket (13 Livros)

Review


A series of Unfortunate Events
Uns dez anos atrás, eu, ainda criança, iniciei a leitura de Mau Começo, o primeiro livro de Desventuras em Série. Por algum motivo que se perdeu no tempo, não dei continuidade à leitura. Depois de muito tempo, surgiu uma oportunidade de comprar o box da série e, meio impulsionado pelo anúncio da adaptação da Netflix, meio querendo recuperar o tempo perdido e descobrir a jornada dos irmãos Baudelaire, acabei fazendo a compra. Passei, assim, o ano de 2016 lendo, nos raros intervalos que a faculdade me proporcionava, os treze livros que contam essa história. Agora, às vésperas da estreia da primeira temporada da adaptação em seriado feita pela Netflix, venho aqui compartilhar minhas impressões sobre o que li.

Primeiro queria explicar que o autor que consta nas capas dos livros, Lemony Snicket, é um pseudônimo de Daniel Handler. Mais que um simples pseudônimo, Snicket é um personagem da história, que vive no universo dos Baudelaire e conhece grande parte dos personagens "pessoalmente". O autor acaba se tornando mais um elemento ativo da narrativa, sendo essa uma das dinâmicas mais inteligentes e instigantes da série. Além disso, a real motivação do autor-personagem para contar essa história, que a princípio parece um mero interesse, só é revelada no final de todo o enredo, e é, talvez, a melhor reviravolta de todas. Por isso, vou me referir ao autor, pessoa que criou a história, neste texto, como Daniel Handler, e a Lemony Snicket como mais um dos personagens.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Poemas de Amor



                Amor e Poesia... a perfeita combinação; como arroz e feijão, queijo e goiabada, Tom e Vinicius. Como o sal e a área do mar, parece que nasceram juntas, fadadas a não se desgrudarem por toda a eternidade.
                Doce ilusão! Na poesia contemporânea, há cada vez menos espaço para o amor. Atribui-se hoje ao poema uma função social, uma função de protesto, como se cada verso fosse encarregado de descrever e criticar a pura realidade, tal qual uma notícia de jornal.
                O lirismo é o patinho feio da poética atual, relegado a segundo plano. De acordo com a poesia contemporânea, no mundo de hoje não existe amor.