Slide

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

10 livros de poesia que você precisa ler - Parte 2



      Oi Pessoal, como vocês estão?

      Na semana passada iniciamos este post com os cinco primeiros livros de poesia da minha lista. O retorno foi incrível, muita gente comentou, muita gente veio falar comigo, fiquei muito feliz com o resultado. A intenção é essa mesmo, fomentar o assunto poesia, despertar a vontade de ler, gerar uma discussão positiva!

      Na sequência, vou postar a parte final da lista, com os cinco melhores livros de poesia da última década, na minha humilde opinião, claro.

      Assim como a primeira, espero que esta lista desperte em vocês a vontade de comprar e ler estes livros. Vocês não irão se arrepender!

      Mas chega de delongas, vamos à lista!



05 – O livro das semelhanças (Ana Martins Marques, 2015, Ed. Companhia da Letras)


               Sem dúvida o mais original dos livros desta lista. O começo do livro é incrível, metalinguagem pura. Ela faz poemas para cada elemento de um livro: capa, nome do autor, título, epígrafe. São poemas curtos, diretos e profundos. Eu já tinha lido o livro anterior A Arte das Armadilhas e já tinha gostado muito, mas neste livro a poetisa se superou.
                Depois da genial metalinguagem, ela entra em temas mais líricos e cotidianos, como saudade, amor, paisagens. A paisagem do mar é muito marcante no livro, com vários jogos de palavras e metáforas entre a poesia e o mar. Estes 71 poemas me cativaram muito e entram para o meu TOP5 de grandes livros da última década. Segue trechinho:



“Impresso
como parece estranho
o mesmo nome
com que te chamam”


04 – Vaganau (Marcos Bagno, 2010, Ed. Parábola)


               

               Encostado no pódio, tenho este livro, que foi um achado! Eu vejo o nome do Professor Marcos Bagno em muitos livros de teoria linguística na faculdade, mas certo dia, na livraria Martins Fontes da Paulista, vi este livro assinado por ele na seção de poesias. Fiquei até em dúvidas se não estava na prateleira errada, mas assim que abri vi que eram poemas, e fiquei curioso.

                Comprei o livro e nossa! Que linda surpresa! Não só é poesia; é poesia da maior qualidade. O poeta alterna entre versos livres e versos clássicos (eu tenho uma grande queda pelo verso clássico). Nestes últimos, mostra um excepcional domínio dos elementos de versificação, nos brindando com quadras, sonetos, redondilhas, etc. É daqueles livros bons, que a gente comete o pecado de dobrar várias orelhas para não perder os versos geniais. São 98 poemas com uma temática variadíssima, contendo lirismo, metalinguagem e cotidiano. Genial! Segue trechinho:

“Mais fácil é cantar o inexistente,
a dor imaginada e nada havida,
a mágoa sincera, mas fingida,
do que cantar em nós o bem presente.”


03 – Universo Magmáhtico (Magmah, 2014, Ed. Penalux)


                Abrindo o nosso pódio, um fantástico livro de sonetos. Eu já era um grande fã da Magmah quando ela postava seus versos no site da Voz da Poesia e no facebook. Quando ela anunciou o livro, corri para comprá-lo e desde o primeiro soneto, não consegui mais parar!

                Magmah é uma das maiores sonetistas que eu conheço. O domínio da técnica, o encaixe dos versos e o lirismo forte são suas grandes marcas. Neste livro, ela nos presenteia com 81 sonetos, um mais lindo que o outro, que é impossível escolher um só; estão todos no mesmo nível de genialidade. Ela abusa de conhecer as técnicas, sabe? Usa diferentes métricas, que deixam o livro bem variado e impossível de cansar. Mas o ponto forte, para mim, são as rimas. Como rima bem essa poeta! Livro mais que recomendado para quem aprecia o lirismo, o soneto, formas fixas e rimas! Segue trechinho:

“Cansei de sentimento a pinga gotas
Com doses homeopáticas, sutis,
Despido de prazer, com vestes rotas,
E sempre mendigando, mãos febris”


02 – Raymundo Curupyra, o Caipora (Glauco Mattoso, 2012, Ed. Tordesilhas)


            Na medalha de prata, um dos grandes. Glauco Mattoso é recordista mundial de sonetos produzidos. Suas marcas, além do soneto, são os versos heroicos, a grafia no português antigo e a temática pornográfica e fetichista.

        Neste livro, Glauco criou o que ele mesmo chamou de “romance lyrico”, compondo 200 sonetos para contar a história de Raymundo e seu amigo Craque na São Paulo contemporânea. Com estes sonetos, ele aborda muitos temas cotidianos da cidade, problemas sociais, críticas à sociedade moderna e, claro, a sexualidade dos personagens.
              O livro tem um rigor formal incrível e mostra a capacidade única do poeta em versificar decassílabos heroicos. Fiquei em uma grande dúvida entre colocar ele em primeiro ou segundo lugar, pois foi um livro muito marcante para o meu gosto do verso clássico. Segue trechinho:

“Raymundo encontra alguem que o comprehende.
Difficil convivência! Mas, emfim,
mulher bella e fiel não era assim
tão fácil de encontrar, e elle se rende”


01 – Formas do Nada (Paulo Henriques Britto, 2012, Ed. Companhia das Letras)


               Finalmente, o campeão. De tantas leituras, esse livro foi o mais fantástico que degustei nos últimos tempos. Eu sou um grande fã deste poeta. Para mim, é o grande nome da poesia brasileira contemporânea.
                Neste livro, Paulo faz, para mim, a mescla perfeita entre poesia moderna e poesia clássica. Ele consegue conciliar formas fixas e rimas com uma linguagem atual e uma roupagem modernista.
                Predomina no livro a metalinguagem. Muitos poemas sobre poemas, muito sobre escrever, sobre a arte poética, sobre o ofício de poeta. Todos os poemas, sem exceção, são divinos. Ao todo, temos 32 poesias que variam em métrica, rimas, formas e conteúdo, tornando a leitura fluída. Pena que são só 32! Segue um trechinho:



“Havendo necessidade,
claro que é sempre possível
desfazer o nunca feito
desdizer o jamais dito.”


     Pois bem pessoal, chegamos ao fim deste longo post. Espero que tenha sido produtivo e que vocês tenham gostado. Deixem comentários, vamos alimentar a discussão, quero muito saber os livros preferidos de vocês, ou se vocês já leram algum destes, ou se se interessaram pela leitura.

   Um abraço a todos!



14 comentários:

  1. Oii!

    Que felicidade ver que houve uma grande procura em relação ao seu post <3
    Eu ADOREI e já quero ler o O livro das semelhanças! A premissa e a capa me agradaram muito!
    O post está lindo!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, obrigado pela participação!
      Fiquei também muito feliz que a coluna despertou em alguns a vontade de ler poesia.
      Olha, você não vai se arrepender, viu? O livro das semelhanças é muito bom mesmo! Se ler, depois volta aqui e contra pra gente o que achou!
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi, Leandro, não sou muito fã de poesia mas sem dúvida O Livro das Semelhanças e Formas do Nada chamaram minha atenção por trabalharem com a metalinguagem, gosto muito desse artifício, então possivelmente leria. Repassarei seu post a um amigo super fã de poesia, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! São dois excelentes livros, vc ou o seu amigo não irão se arrepender. Obrigado pela divulgação do post. Bjs

      Excluir
  3. Oi, Leandro!
    Opa, que listona de livros bons! Formas do Nada é um dos meus livros preferidos atualmente, a metalinguagem do Paulo Henrique faz dos poemas experiencias muito boas. Adorei o post!
    Bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Vitória! Paulo Henriques é fantástico...se você gosta bastante do Formas do Nada, vale também visitar o restante da obra dele, como Trovar Claro, por exemplo! Bjs!

      Excluir
  4. Adoro poesia, mas confesso que tenho/leio poucos livros do gênero, preciso ler mais! Adorei as dicas, já tinha conferido a lista anterior, e assim como aquela, essa está incrível. Não conhecia nenhuma das obras, e gostei bastante de O caypora. Anotei todas as dicas!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dessa! Comece sim pelo Caypora, é uma leitura que vai lhe tomar um tempo, mas vale muito a pena! E depois leia os outros! Bjs

      Excluir
  5. Helloo, cara. Tudo numa nice!
    Awesome. Não é sempre que vejo um autor tratando de poesia na blogosfera. Eu mesmo não lia poesia e nem poema. Marcas ruins que a escola me deixou, nunca fui boa para interpretar e na minha cabeça sempre preferia estórias com textos grandes. Mas na faculdade, fui meio que obrigada a ler textos nesse estilo, até mesmo escrever, e hoje eu gosto muito de poemas. Não sei fazer poesia, mas escrevo uns poeminhas. *-* Não conheço nenhum dos autores que tu apresentou, nos últimos meses só li clássicos mesmo e no geral poetas portugueses e o Baudelaire - :). Vou dar uma olhada nesses que indicou.
    Beijin...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hello Alana! Puxa, que bom saber que escreve! Manda pra mim seus poemas, quero muito conhecer! (leandroandreo@hotmail.com). Não trate eles como poeminhas, a poesia é sempre grande. Dá uma chance pro pessoal dessa lista, prestigiar a poesia contemporânea nacional!

      Excluir
  6. Oi Leandro.

    Tinha um bom tempo que não lia poesias e poemas, mas este ano estou mudando isso, pelo menos nos poemas. Eu fiquei bem interessada nas dicas de livros de poesias, principalmente O livro das semelhanças e o Formas do Nada. Eu anotei eles para adquirir.

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kenia! Que bom que está colocando poesia na sua vida! Estes dois que você gostou são estupendos, você precisa ler! Leia e depois me conta o que achou!
      Bjs!

      Excluir
  7. Vou anotar as dicas porque admito. Não consigo ler poesia!
    #ShameOnME
    Mas vou tentar! Eu juro!! =]
    Obrigado pelas dicas!! <3

    #Ana
    https://literakaos.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana! Tenta sim, faz uma forcinha =)
      Depois conta pra gente aqui o que achou.
      Bjs

      Excluir

Leia e Comente, sua opinião é muito importante para mim. Caso encontrem algum problema avisem.

Cliquem em "Notifique-me" para saber quando for respondido.

* Os comentários que possuírem link de algum blog terão a visita retribuída